quinta-feira, março 13, 2008

Rato fora do ninho

Eu juro que tento. Não sou do tipo cretino que procura discussão, que caça confusão.
Nada... pelo contrário. Tento seguir o conselho de Don Vito Corleone até. Aguento algumas injúrias, sabendo que não ganho nada com elas. Somente pessoas de minha inteira confiança sabem o que estou pensando ou sentindo.
Mas hoje eu fui até a usp... é eu fui, atrás de saber se conseguiria encontrar uma professora lá para confirmar o dia da reunião de um grupo de estudos sobre Nietzsche, e também para saber se seria possível eu acompanhar, mesmo que por pouco tempo e como ouvinte, o curso de inglês ou alemão de lá.
Bom, resumindo, eu não encontrei a porra da professora, e nenhuma alma viva que pudesse me informar mesmo onde aconteciam as aulas. De certo modo achei até mesmo normal, pois o lugar lá é grande. Fui com a cara e a coragem, engolindo meu orgulho, mas essa primeira tentativa não vingou.
A parte que não podia deixar de faltar foi a cena clássica do casal de namorados ativamente políticos panflentando contra alguma causa qualquer. Me ofereceram um panfleto, recusei. Acredito ainda ter poder para poder fazer o que fiz. Insistiram, recusei. Perguntaram porque, eu disse que não queria. Ai o guri reclamou, e afirmou que era por isso que o nosso país era uma droga... Ai eu perguntei porque. Qual a relação que existia entre recusar um panfleto ordinário que convocava um punhado de gente chata para uma assembléia regada a cerveja, como o próprio panfleto orgulhosamente anunciava, e a situação politico-economica do país se encontravam no racíocinio dele. Perguntei ainda se uma vez evidenciada a relação, ele poderia de fato acreditar nessa mesma relação lógica aristotélica vagabunda, uma vez que o fim do século XIX trouxe consigo, graças aos estudos sobre campos eletromagnéticos, o começo do fim da matemática apoiada nos axiomas euclidianos, que ruiu por completo após os estudos de Frege, Russel, Einstein, Wittgenstein e Gödel, para ficar somente nos mais ilustres.
O casalsinho indie me olhou meio torto, sorriram meio sem graça, e falaram que a causa era política. Então eu recomendei que lessem Russel, Adam Smith, Maquiavel, o próprio Wittgenstein, e daqui a alguns anos um livro chamado "Moral como ferramenta de dominação política".
Virei as costas e fui embora, com a certeza que dessa vez meu humor não ficaria azedo.

4 comentários:

Magui disse...

Putz deve ser por isso que vc anda assim.Lendo isso tudo e ficando na mesma não dá!A cultura a fórceps dos dominantes entrojetada nos dominados.Qual é a diferença se não está feliz!

Quarto de Hotel disse...

Eu concordo contigo, quem não sabe o que fala, é melhor que fique quieto!

barb michelen disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

Mari disse...

Vou ruminar também...
O que aconteceu com você??? Quais foram estas desilusões tão grandes que te fizeram ver de uma forma tão burguesa capitalisa safada??? Este não é meu irmão Raffa que queria fazer o tcc comigo com base no comunismo porque acreditávamos no maracujá....Que que tem de errado as pessos panfletarem? Porque vc tem fazer as pessoas se acharem burras com uma coisa que vc poderia participar e explicar e que principalmente, não fosse tão expositório?
Kd o Raffa que eu conheci?