sábado, novembro 08, 2008

Tudo aquilo que ele precisa esquecer

Há muito tempo atrás eu fui jovem
tolo e inocente, rindo e sonhando com o futuro.
E eu teria conforto, uma bela casa
e meu mundo estaria em ordem.

Com tudo isso aqui, junto de mim
fui seguindo a vida do melhor jeito que pude
lendo sobre gente que já havia morrido
e ouvindo a música de tantos outros que já tinha vivido
assim como eu...

Disse um dia, sem ter ninguém que pudesse escutar
que alcançaria tudo aquilo que
me comprometi a ir lá buscar.

Mas como vocês acham que me senti
quando acordei e finalmente descobri
que para ser um homem honesto
do qual os meus filhos iriam um dia se orgulhar
eu teria que, assim como todos os outros
antes e depois de mim
aprender também a roubar?

E agora...? O que eu faço com o caminho que eu percorri?
E agora...? Qual o valor desse sonho que eu mesmo construi?

Não parecer ser muito justo, deveriam ter me avisado
que a dor do primeiro passo era o começo da história
onde eu terminaria frustrado

Eu deveria ter trocado de coração
e esquecido o gosto de uma bela canção...

A vida não foi feita
para quem não a deseja tanto, com
fome de vive-la totalmente
plena e perfeita.

E agora...? O que eu faço com o caminho que eu percorri?
E agora...? Qual o valor desse sonho que eu mesmo construi?

Revirando coisas velhas, perdidas no meu antigo baú
encontro fotografias de parentes cujo nome eu já me esqueci.
Liberto tristezas, dissabores e também alguns poucos amores
que duram, insistem em ficar e não se apagar.

A pergunta que vem a seguir é inevitável,
quero e posso, mas não vou controlar...
Mesmo sabendo que não importa quem seja o questionado
não haverá uma resposta que caiba neste pequeno espaço
de uma vida presa
de um velho de 83 anos, que resolveu por bem
viver no corpo de um jovem que ainda não está
sequer perto dos 30.

Ambos com a mesma existência
acumulando erros, acertos, ganhando somente experiência.

Afinal, eu queria saber o que os dias reservaram para mim
quando é verão e chove por chover
assim que a tarde chega
e o dia sabe que é seu fim...

4 comentários:

Anônimo disse...

Liberto tristezas, dissabores e também alguns poucos amores
que duram, insistem em ficar e não se apagar.

jogue a tristeza fora!! E peço q de Amores se reduza para apenas meu amor!!!

heheheh

beijo

Rod! disse...

fala meu véio
coisa braba
coisa feia
pena q não é cosa nostra
...

andei desaparecido
do mundo blog
mas
ando tentando
voltar

abraço

Elaine Cristina disse...

Alice: "Não posso lembrar-me das coisas antes que elas aconteçam."
Rainha Branca: "É uma mísera memória essa sua, que só funciona para trás."

Beat* disse...

Simplesmente foda!